segunda-feira, 30 de junho de 2014

Ritual de fim de mês


Hoje é o último dia do mês! Bom dia para agradecer por tudo de bom que junho nos trouxe em um ritual de gratidão. Sei que você vai dizer que nada de bom aconteceu, mas aconteceu, sim. É que nós temos essa tendência a focar no pior, no que não conseguimos, e esquecemos as coisas maravilhosas que tivemos, como a companhia de bons amigos, a alegria de bons momentos, boas risadas, saúde e um milhão de possibilidades de realizar coisas maravilhosas! Então, hoje, que tal fazer um ritual simples apenas para agradecer? A gratidão faz milagres! Experimente!

Ritual simples de agradecimento

Uma vela de qualquer cor, menos preta.
Incenso
Farinha de trigo ou talco
Um copo com água
Uma rosa branca, amarela, chá, ou rosa bem bonita.

Abra seu ritual como de costume. Acenda a vela e o incenso. Coloque a farinha ou o talco num pratinho. Agradeça por tudo o que recebeu e ainda receberá falando com a rosa, Você precisa ser sincero na sua gratidão. Converse.
Coloque então a rosa sobre a farinha e as mãos em concha. Feche os olhos e sinta-se cheio de gratidão por cada coisinha na sua vida. Passe essa energia para a rosa e a farinha ou talco. Quando terminar, sopre levemente (levemente! ou vai tudo na sua cara e eu vou rir...) a farinha e a rosa. Deixe a vela e o incenso terminarem num altar ou lugar seguro. Jogue o talco ou farinha em sopros pela janela, mandando seu amor e gratidão para todas as entidades que colaboraram com você nesse período. Quanto á rosa, você pode escolher dá-la a outra pessoa ou colocar em sua casa.


sexta-feira, 13 de junho de 2014

A VIDA DO MESTRE KUTHUMI

Por Fernando Coelho

Mensagem recebida em 20 de outubro de 1999:
"Eu nasci com o dom de ver, através dos olhos espirituais. E saibam, meus irmãos, o quão difícil isso foi para mim. Pois, no lugar das aparentes personalidades, que transitavam em minha vida, eu via as suas essências obscurecidas... as suas dores, os seus conflitos, as suas mentiras...
E na solidão, da minha vida, eu perguntava:
Deus da minha alma, por que me faz isso?
Por que me faz ver o mundo tão feio?
Por que não sou igual aos outros?
Por que me abres essas postas, que não sei fechar?
Por que me deixas sofrer tanto, se vos amo, do fundo da minha alma?
E, um dia, na mais absoluta solidão- eu já não tinha mais vontade de me alimentar e nem de chorar, e nem fé no Altíssimo eu tinha mais- e nesse momento aproximou-se de mim um cão vadio. E esse animal era só Luz. Ele não tinha nenhuma treva, nenhuma escuridão. Ele era Infinita Luz. E sentou-se ao meu lado sem nada pedir, sem olhas minhas vestes. Vestes de um nobre, nem os olhos tristes de quem vê aquilo que não deve ver. Senti vir dele a chama mais calorosa e permeada de amor que nenhuma mulher, nem um amigo, e nem sequer o colo de minha mãe tinham me oferecido.
E assim, abri os meus braços e senti uma gota de liberdade e de esperança brotando dentro de mim.
E eu disse:
Pais, és, então , um cão?
Pai, estás então nos animais?
E neste momento aproximaram-se de mim aqueles pássaros que chegavam nos campos para comer os restos de grãos, e formaram um grande círculo à minha volta. E eu vi luz. E eu vi glória. E eu vi verdade. E eu vi amor.
Foi esta forma que o Divino me tocou e me disse da sua existência.
E se eu não tive mãos humanas capazes de me amar, eu tive a presença de todos aqueles que não precisavam de vestes, de roupas, de luxo, de belezas temporais e de falsos humores. Eu fui amado. Eu lhes digo: Eu fui amado... Muito mais do que eu tive capacidade de amar.
E os que me viram antes de chorar passaram a me ver sorrindo.
E os que me viram antes sofrer passaram a me ver cheio de alegrias.
Passei a alimentas os animais, e me despi de tudo: das minhas vestes, dos meus enganos, dos meus luxos... De todos os excessos... E eu me vesti de luz. Dessa mesma luz que eu tinha tanto medo de fazer brilhar no meu coração. Porque eu não tinha encontrado até então ninguém igual a mim.
eu vi a minha igualdade nos pássaros, nos bichos, nos campos de trigo, na terra fertilizando.
E eu disse, então:
Pai você existe! Eu amo a tu beleza. Eu amo aquilo que eu não compreendo. Eu amo as lições que me ensinas, e o sofirmento que me promoves.
E assim eu me tornei quem eu sou: O Protetor dos Animais.
Mas eu lhes digo: muitas vezes, muitas vezes mesmo, eu fui protegido por eles... e amado... Muitas vezes mais do que eu protegi.
Eu amo a Chama Amarela. Eu amo o Dourado da sua Luz. Eu amo a capacidade de saber com alegria. Saber amar. Saber ver além das vestes. Sentir além dos sentidos. Escutar além das palavras. E expandir além dos mundos.
Tornei-me um mestres, por que amei.
Amei a luz, amei o sol e dele tornei-me irmão. Amei a lua e dela tornei-me irmão também.
Compreendi então as diferenças dos mundos. compreendi os seus enganos. e sem saber que estava sendo, eu fui sábio.
Hoje eu atuo nas esperas de luz. Hoje eu sou um Mestre, porque me chamam assim.
Saibam que frente o Altíssimo ainda o reverencio como um humilde aprendiz. Porque assim eu sou.
Kuthumi é o meu nome.
Abençoo todos vocês. E os chamo para participar e aprender na minha casa. e digo, meus irmãos: aprendam a humildade, que nada tem a ver com o despojamento de bens materiais e, sim, com o despojamento do orgulho.
E amam sem culpa. Amem com liberdade.
Errem sem medo. Errem, porque desejam ousar e aprender.
Vivam em luz, porque um dia souberam de suas trevas.
Observem que a linguagem da Fraternidade Branca é libertadora. Porque mostra a vocês o lado bom da sua própria essência.
A Luz da sua escuridão. A capacidade de amar que está inerente a cada um de vocês.
Serei, sempre, um aprendiz. Porque é sábio o meu coração.
Serei, sempre, um aprendiz. Porque é humilde a minha fé.
Serei sempre um aprendiz. Porque quero sempre mais aprender a amar.
Serei sempre um aprendiz. Porque sei que não estou pronto para ser a experiência crística completa. em mim mesmo.
Eu vos digo: amo a cada um de vocês.
Hoje eu amo. Porque sou capaz de ver, nas suas imperfeições, a sua luz. No seu medo, a sua luz. Na sua raiva, a sua luz.
Que brilhe em Dourado as profundezas da sua Alma.
Fiquem em Paz."
Canalizado por  Maria Silvia P. Orlovas


terça-feira, 3 de junho de 2014

EU, O KODAMA E VOCÊ: CAMPANHA DE APOIO AO KODAMA

“Juntos somos fortes, não há nada a temer.” 

Bom, gente, como eu tinha dito, acabei de voltar do Kodama e foi um evento delicioso! Um clima ótimo, pessoas inteligentes e bonitas, bom humor, diversão, convidados maravilhosos prontos para passar seus conhecimentos para a galera que foi! Este foi um Kodama maravilhoso e estávamos todos muito felizes até o fim de tarde de domingo.

A bilheteria do Kodama foi ROUBADA! Sim, é isso aí que você ouviu. Um LADRÃO roubou o fruto do trabalho de um monte de gente honesta. Claro que essa pessoa vai andar pra trás numa onda de azar interminável porque foi amaldiçoada pela própria atitude, mas nós não nos consolamos com a desgraça alheia. O que nós precisamos é ajudar a Márcia, a organizadora, a pagar os custos do evento. Antes que você pense que todo mundo que trabalha com evento é rico, deixa eu lembrar que a Márcia é PROFESSORA! Isso mesmo, é uma professora que investe do próprio dinheiro no Kodama há 13 anos para levar cultura aos jovens de todas as idades de Brasília, sem ajuda do Goveno, sem apoio financeiro, sem patrocinador, só com a cara e a coragem.

Eu acompanho o trabalho dessa moça com admiração há mais de dez anos e meu coração se partiu em mil pedaços quando vi o que aconteceu. Por isso venho pedir a ajuda dos amigos do Kodama, dos amigos da Eddie, dos amigos da Viviane Fantasy, dos amigos do Ars Mediaevalis, dos amigos do Kamelot, e dos amigos de tantos convidados e participantes maravilhosos que o Kodama já teve. Qualquer quantia depositada ajudará a pagar as custas do evento e tapar esse buraco. O B.O. já foi feito e a polícia está investigando o caso.

“Para que o Mal vença, basta que o Bem fique de braços cruzados.” 

Mas nós não vamos ficar de braços cruzados! Vamos mostrar pra essa gente ruim que vilão não vence NUNCA! 
Deposite quanto puder nessa conta e compartilhe. 
Banco do Brasil Ag.: 1022-7 
Conta Poupança: 010010454-51 
Titular: Márcia C. S. Coelho 

E já confiante de que podemos contar com você, deixo nossos agradecimentos!

Eddie Van Feu


JUSTIÇA DECIDE SE GURU ESTÁ MORTO OU MEDITANDO DESDE JANEIRO


Tá, eu tô cheia de trabalho aqui, mas de vez em quando a gente se depara com uma notícia que nos obriga a parar tudo e ir lá ver!



"Shri Ashutosh Maharaj - Depois de um desentendimento entre seguidores de um líder espiritual indiano e sua família, a Justiça da Índia foi acionada e terá de decidir se ele está vivo ou morto. Os devotos de Shri Ashutosh Maharaj acreditam que o guru está passando por um estado profundo de meditação, mas os parentes do religioso dizem que ele, na verdade, está morto desde janeiro.

Certos de que, aos 70 anos de idade, Maharaj está vivenciando o Samadhi, quando se alcança um nível de profunda meditação, seus seguidores resolveram congelar seu corpo até que o mestre desperte, em Punjab (400 km de Nova Déli), e se negam a entregar seu corpo para a cerimônia de cremação, de acordo com o jornal britânico "The Telegraph".

Médicos já declararam a morte clínica do guru, fundador da ordem religiosa Divya Jyoti Jagrati Sansthan, após uma suposta parada cardíaca, informação que é negada por seus discípulos, que inclusive publicam em seu site oficial que Maharaj "está meditando desde 29 de janeiro de 2014".

Embora a polícia também já tenha confirmado a morte, a Alta Corte de Punjab não aceitou a constatação, e o governo local decidiu que a disputa se trata de um assunto espiritual.

Restou à mulher e ao filho de Maharaj pedir à Justiça que investigue a morte e ordene à devolução do corpo à família.

Dilip Jha, 40, filho do líder espiritual, acredita que os interesses dos devotos de seu pai são muito mais mundanos do que se imagina. Para Jha, os seguidores de Maharaj mantêm seu corpo para poder controlar suas finanças; os bens imobiliários do guru têm valor estimado em cerca de R$ 370 milhões.

A ordem religiosa Divya Jyoti Jagrati Sansthan foi criada em 1983 para "a elevação e o fortalecimento dos mais desfavorecidos, carentes e desprivilegiados da sociedade", com o objetivo de ajudar as pessoas a compreender seus "papéis individuais em moldar o mundo".

O movimento cresceu e ganhou fama internacional, com seguidores em vários lugares, unidos pela esperança da "paz mundial".

Fonte: http://www.multiajuda.com.br/