segunda-feira, 30 de julho de 2012

BOOK TRAILER DE "Os Dragões de Titânia" Volume II



AMIGOS! TITANIANOS! COMPATRIOTAS!
A hora é essa e o momento é já!


Venha reencontrar esses aventureiros fanfarrões no segundo volume da série Os Dragões de Titânia durante a Bienal do Livro de São Paulo.

Lançamento oficial dia 12/08, de 11 às 13:30, mas o autor Renato Rodrigues e a ilustradora Carolina Myius estarão presentes durante o dia inteiro. Renato também estará presente nos outros dias da Bienal (mas não sei se ainda vai ter brinde)! Vamos nos aventurar, galera! E ESPALHEM A NOTÍCIA!!! TODOS OS CAMINHOS LEVAM À TITÂNIA!




Os Dragões de Titânia - A Queda do César
Agora pela Editora Linhas Tortas!

Eu não sei como conseguiremos, mas estamos mais perto
HOJE do que ontem...

ESTANDE J60
Livraria Loyola

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Deusas Negras - Cerridwen

Por Sandrini


Mais uma vez atendendo a pedidos, estarei explicando um pouco sobre a Deusa Cerridwen, muito comentada e que vimos em muitos contos por ai. Quem leu As Brumas de Avalon vai se lembrar desse nome, muito citado por Morgana, principalmente quando está sendo consagrada na Ilha Sagrada.

Deusa do panteão galês, sendo chamada de Grande MãeSenhora. É sempre associada à morte e renascimento, fertilidade, regeneração, inspiração, magia, astrologia, ervas, poesia, encantamentos e conhecimento. Seu consorte na cultura pagã é geralmente o deus Cernunnos (lê-se Quernunos) e juntos representam a dualidade da natureza. Deusa da lua, dos grãos, da natureza. Seu animal totem, a porca branca que devora cadáveres. As oferendas tradicionais são o ovo, a maçã, o azeite e os bolos. Mas a fragrância de um incenso especialmente escolhido e a chama delicada de uma vela negra também são  recomendadas num ritual para essa deusa. Indispensável a presença do Caldeirão, explicado abaixo.

Conta-se que Cerridwen, com a bebida de seu caldeirão transformava um homem comum em um rei. Sua história vem do País de Gales medieval e se encontra escrita em "The Mabinogi (1977) de Patrick K. Ford. 


Cerridwen era esposa do gigante Tegid com quem teve dois filhos, uma linda donzela, Creirwy e outro era um rapaz feio, Avagdu – em determinadas fontes, Morfran. Como queria que o rapaz tivesse algo de seu, ela fez para ele uma poção mágica que o deixaria um homem muito sábio. Demorou um ano e um dia para terminar de fazer a poção, que se destinava a torná-lo inspirado e brilhante. Ela ordenou que Gwion, seu assistente, tomasse conta da poção e o advertiu para não bebê-la.

Acidentalmente, algumas gotas da poção espirraram na mão de Gwion, e ele levou a mão à boca. Instantaneamente, ele sabia tudo, até mesmo que Cerridwen tentaria mata-lo. Ele fugiu e ela foi atrás, no que se chama “Caçada Mágica”.

Gwyon transformou-se em uma lebre, e Cerridwen em um cão.  Transformou-se então em um salmão, e ela em uma lontra. Por último, transforma-se em um grão de trigo, mas a Deusa em corpo de uma galinha o come. Nove meses mais tarde Cerridwen deu à luz em Taliesin, o maior dos Trovadores Celtas. Depois de tê-lo em seu seio, não conseguiu mais matá-lo. Ela então o coloca dentro de um saco de pele e introduzindo-o dentro de uma pequena barca, que fica a deriva sobre as ondas, sendo encontrado mais tarde por camponeses.

Seu aspecto caracterizado em corpo de uma velha, representa o conhecimento de todos os mistérios que só a idade e a experiência podem proporcionar. Ela é a Deusa que devemos reverenciar nos momentos de dificuldades e anulação de qualquer tipo de malefício. Ela é a Deusa do caos e da paz, da harmonia e da desarmonia. E então, quando a Lua não brilha no céu e a escuridão é nosso legado, devemos deitar oferendas a Ela, que também olha por nós em nossos momentos de trevas.

Cerridwen é uma deusa celta e seu culto era mais representativo no País de Gales. Era a "senhora do caldeirão" e representa a poção da vida e da morte. O caldeirão, seu maior símbolo representa a fertilidade e a regeneração, por isso também era deusa dos bosques e dos animais. Os rituais para essa deusa eram feitos na lua minguante. 

As energias masculinas e femininas convergem na concepção e no momento da criação. É o bailado coreográfico destas energias que formam a base para o equilíbrio e a harmonia do nosso universo. A tradição Druida explica que todo o aspecto feminino tem um aspecto masculino complementar. 

O caldeirão tem sua base mitológica na tradição celta. O vaso de prata era chamado de "Caldeirão de Regeneração". O sangue despejado dentro dele devia formar uma bebida regeneradora ou um banho. Também está registrado que o caldeirão deveria ferver até que produzisse "três gotas da graça da inspiração", desta forma é conhecido como o Caldeirão da Inspiração".

Cerridwen chega em nossas vidas anunciando um tempo de morte e renascimento. Quando algo está para morrer, devemos permitir que se vá para que algo novo possa nascer. A totalidade só é conquistada no momento que dissermos sim e dançarmos com a morte e o renascimento, Cerridwen diz a você que sempre receberá de volta o que der a ela, portanto entregue-se e renascerá.

A mais antiga forma da Deusa Tríplice, é ao mesmo tempo a Deusa da Fertilidade e da Morte, pois o mesmo poder que leva as almas para a morte, traz a vida. De seu ventre parte toda a vida e a vida provém da morte.


Fontes: Encanto de Bruxa; Templo de Avalon; 3 Fases da Lua.

O DESNECESSÁRIO, PORÉM FUNCIONAL HOMEM-ARANHA!

Ontem vi O Espetacular Homem Aranha! O filme é legal. Mas não empolga. Renato e eu ficamos discutindo porque. Adorei o elenco, mas no final, tive a sensação de que não me comoveu, diferente do primeiro Homem Aranha, que me fez até chorar. O que houve? Um dos motivos pode ser o roteiro infantil, a trama simplista e as soluções mágicas. Venhamos e convenhamos, pedir pra Gwen Stacy pegar o pó azul que era o antídoto mágico era como eu ligar para o Renato numa situação de fim do mundo e dizer: "Pegue a Wicca #17, vá até a página 156 e recite o encantamento em gaélico que está lá! Isso resolve tudo!!!".
Mesmo assim, foi legalzinho! Desnecessário, mas legalzinho. O melhor momento ainda é a aparição de Stan Lee!

quinta-feira, 26 de julho de 2012

VIDAS DE UMA MESMA COR- Continuação

Por Fernando Coelho e Victor Augusto de Souza

Primeiramente, obrigado a todos que estão acompanhando as postagens dos Mestres. É sempre um grande prazer tanto meu, quanto do Fernando perceber que há uma receptividade tão boa com este tema tão rico e acolhedor. A energia de Rowena é tão poderosa, que muitas vezes não temos palavras para exprimir, então, deixo a todos com a continuação sobre as vidas passadas desta Mestra.
Caso não tenha ligo a primeira parte, clique aqui.


O APRENDIZADO CONTINUA
Canalização de Maria Silvia P. Orlovas


Aquela que eu fui, que não teve oportunidade de ver sua imagem seque refletida num veio de água, nesta vida iria ser pintada por um grande artista. Eu era então uma nobre, que teria a imagem imortalizada num quadro.
Vesti roupas suntuosas... Passei semanas me preparando, me adornando de jóias, anéis  para levar nas mãos.
Criaram penteados para carregas em minha cabeça, tiaras para me enfeitar, jóias que pertenceram às avós daquele corpo que então eu usava.
 E, para minha surpresa, em cada encontro com aquele pintor, em cada olhar dele se dirigindo a minha pessoa, eu provava o desinteresse. Assim, aqueles sapatos, que um dia foram tão importantes, me pendiam os pés... E eu me perguntava: “-Por que sapatos?”
 E aquelas roupas, que eu julgava tão belas e caras, passaram a me incomodar, passei a achar que me apertavam e desejei me libertar delas também. Aquele riquíssimo penteado e aquela cabeleira que foi coloca sobre minha cabeça faziam doer meu pescoço, e me perguntava: “- Por que tudo isso?”
 Aqueles momentos, que antes eu julgara belos, agora eram intermináveis, e para mim se tornaram cansativos, enfadonhos e narcisistas.
 Quando finalmente pude ver minha face pintada por aquele artista, vi que eu não era aquilo. Vi que não era mulher que julgava ser, e aí caí num estado de profunda depressão.
 Meus pais consternados não sabiam o que fazer comigo. Aqueles que tinham sido meus namorados, amantes e amigos, que haviam circulado no meu dia a dia, também se sentiam imponentes frente aos meus sentimentos.
 O que fariam comigo? Como poderiam me ajudar?
Eu tinha como companhia apenas a solidão e os campos verdes que avistava do meu quarto, e que não mais me encantavam; nem dias de sol me chamavam a atenção, nem sequer os dias de chuva faziam diferença. Foi nesse estado de profunda depressão que mais uma vez perguntei por Deus.
CONTINUA NO PRÓXIMO POST

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Cigana Conchita

Por Fernando Coelho e Sandrini.

Queridos lobonaltas, espero que tenho gostado da matéria em dose dupla da semana passada. Hoje vamos conhecer a cigana Conchita
Esta cigana tem a pele clara e os cabelos pretos, que usa presos em uma trança jogada para o lado direito.
Sua saia é estampada e complementada por uma blusa vermelha.
Usa muitos cordões, um deles com um pingente de topázio.
Os dedos das mãos estão sempre ornamentados com diversos anéis, e não dispensa uma flor vermelha nos cabelos.
Ela adora ganhar presentes, principalmente de flores, pois com elas faz seu perfume e suas magias.
As cartas do seu baralho tem símbolos próprios. A cigana Conchita, é espanhola, originária da Galícia.
Gosta de música e adora tocar castanholas.Quando chega à terra, tem sempre uma palavra de conforto para os aflitos, é meiga e carinhosa, e sempre fala assim:


"Sou da Galícia;
   Sou galega, com muita honra;
  Sou o amor, sou uma flor;
  Sou cigana do passado para ajudar no presente;
  Sou espanhola;
  Com muita saia colorida, danço rodopiando
  Com meu sapateado amasso as ruindades e coloco a paz neste lugar."



O BOLO DA CIGANA CONCHITA - SUA MAGIA

1 bolo aromatizado com baunilha
11 morangos
11 moedas atuais
1 rosa vermelha
11 velas brancas
1 prato de papelão



Modo de Fazer:
Faça esta oferenda na Lua Cheia. Leve todo o material para junto de uma árvore que tenha flores vermelhas ou cor de rosa. Passe o bolo simbolicamente pelo corpo e coloque-o no prato. Coloque os morangos em cima do bolo e os quibes a volta do bolo. Passe as moedas no corpo e espete-as no bolo. Arrume o prato junto a árvore. Acenda do lado esquerdo da oferenda as velas juntas, coloque a rosa no centro do bolo e peça à cigana Conchita a abertura dos caminhos.

FELIZ DIA DO ESCRITOR!!!

Hoje, 25 de julho, é dia do escritor! Escritores são contadores de história, divulgadores de conhecimento, fazedores de ideias, criadores de mundos! Escritores mudam o mundo porque mudam cabeças, dão direção, mostram caminhos, fazem rir e chorar. Então, fica aqui meu Feliz Dia do Escritor a todos que se dedicam a essa arte maravilhosa! E uma dica a quem pretende seguir esse caminho.


Como todo sonho, você terá que superar alguns desafios. Tenha coragem e siga adiante. Posso te garantir que vale a pena. Sonhos realizados espalham luz no mundo, enquanto pessoas frustradas se tornam os obstáculos de quem realiza. Nós aqui na Linhas Tortas encontramos nossa cota de “obstáculos” em forma de pessoas cuja maior alegria é tentar destruir o que está sendo construído. A elas, fica meu perdão (mas não esquecimento, que não sofro de amnésia) e minha compaixão, pois dá pena ver tanta gente que não conseguiu descobrir a própria luz tentando apagar a luz dos outros.

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Deusas Negras - Uma Breve Explicação

Por Sandrini


Sempre nos deparamos com indivíduos que temem a face obscura da Deusa. Indivíduos estes, que jamais mergulharam nas sombras de sua alma.

Fugindo do dualismo monoteísta revelado, onde obrigatoriamente o que não é bem é mal, e o que não é luz são trevas, vamos encontrar na divindade – e em nós mesmos – um lado obscuro que é pouco conhecido (ou mesmo desconhecido), sem necessariamente ser mau ou negro. Muitas vezes o lado desconhecido, tanto da deusa como o nosso, pode ser luminoso. O que não podemos esquecer é que luz demais também cega.

O aspecto menos compreendido da Grande Mãe – e, por isso, o mais temido – é a Deusa Negra, a Face Ceifadora. Assim como a Donzela, a Mãe e a Anciã regem etapas do eterno ciclo da vida – do nascimento, amadurecimento e do declínio, a Deusa Negra encerra o ciclo e representa a decomposição e a morte.

Como Ceifadora, ela é a destruidora de tudo que esgotou seu tempo, de tudo que cumpriu sua finalidade e não serve mais. É ela quem limpa a terra após a colheita para o repouso necessário à germinação de novas sementes.


MAS ELA NÃO É MESMO MÁ?

Calma, pequeno gafanhoto, se você está preocupado se precisará fazer alguma magia negra ou sacrificar um bode preto, fique tranquilo! Lembre-se do Arcano XIII (13) do tarô: A Morte. Ela dita que é hora de pormos os pingos nos ‘i’s, de por ponto final nas frases. Diz que é hora de uma mudança brusca, algo irremediável e que não poderá voltar atrás. Diz que precisamos limpar a nossa vida do que já não é mais necessário ou preciso; do que está atrasando a nossa evolução.

Pois bem, com a Lua Negra é igual. Num ritual para estas Deusas você pode pedir para que elas te ajudem a arrancar de sua vida o que está te mantendo preso no mesmo lugar (até mesmo água parada fica podre, imagina energia). Muitas vezes isso é um processo doloroso, pois o que nos atrapalha pode ser um ente querido, um amigo, um familiar, um lugar, um emprego, enfim, e o ser humano é um bicho cômodo por natureza. Isso é um dos motivos pelas pessoas terem medo de ter contato com essa Face.

Um altar para uma deusa Negra deve ter, principalmente (porque, na verdade, os instrumentos vão depender muito de com qual Deusa você está trabalhando) o caldeirão, o athame, uma imagem que represente a Deusa, velas preta/vermelha/branca, uma taça de vinho (pode ser suco de uva). Algumas pessoas colocam penas pretas de corvo, mas não é uma regra.



TUDO BEM, ENTÃO SE ELA NÃO É MÁ, PORQUE AS PESSOAS TEM MEDO?

O Universo gira em torno do equilíbrio, correto? Não existe luz sem trevas, e não existem trevas sem um pingo de luz. Como a gente saberia decifrar o que é vermelho, se morássemos num mundo azul? Dessa forma, não existe Vida sem a Morte.

O “mal” e o “bem” são questões de pontos de vista, assim como a Verdade. Podemos ser pessoas boas, mas as vezes podemos agir de má fé, podemos fazer ou falar algo que seria posto como “errado” pela maior parte da sociedade. Assim como podemos ser pessoas desprezíveis, mas que uma hora se passa por bonzinho por um ou dois atos momentâneos. Ninguém é inteiramente bom, nem inteiramente mal.

Como eu disse antes, a questão é igual com a Morte do tarô: as pessoas tem medo de fazer uma faxina na sua vida, pois podem acabar indo para o lixo coisas ou pessoas com as quais ainda somos muito apegados e julgamos importantes. O que não entendemos é que isso atrapalha nosso rendimento nesse mundo.

TUDO BEM, MAS MESMO ASSIM, PORQUE EU DEVERIA ENTRAR EM CONTATO COM ELA?

Você não deve nada, jovem gazebo. Nenhum de nós é obrigado a nada, fazemos as coisas por livre e espontânea vontade. Aqui, estou apenas apontando a importância de se conhecer e de saber seus próprios limites.

Tenho certeza de que não foram poucas as vezes em que você, telespectador, viu sua vida ser virada do avesso e ficar pendurada de ponta-cabeça. Chega um momento em que você se pergunta: “Meu Deus!! Como as coisas foram parar assim?!”. Ora, você apenas passou um momento negro, ou momento de recolhimento e recapitulação dos fatos; uma época feita pra gente parar e respirar fundo. Nesse fundo de poço que, mais cedo ou mais tarde, todos nós chegamos – alguns ficam dias, outros meses e até mesmo, anos! – dizemos que você estava num momento transitório, um momento de mudança total e brusca. Como eu disse antes, ninguém gosta de perder, ainda mais quando são coisas que julgamos importantes para nós. Mas é preciso. Nossa vida é como as estações do ano: temos o nosso período de primavera, de outono, verão, e as vezes passamos pelo inverno. Para o nosso crescimento, para o nosso desprendimento, para que possamos caminhar adiante. E as Deusas Negras são expert nisso, pois elas trabalham com essa energia.

Também é importante dizer que nós não somos feitos apenas de luz. Sim, somos seres de luz que estamos aqui a favor da paz e do amor, mas não esqueçamos que somos Ying-Yang. Nada melhor pra explicar isso que contar com a ajuda de uma lenda indígena:

Um velho cherokee dava lições de vida aos seus netos. Disse-lhes:

“Está se travando uma luta dentro de mim. Luta terrível, entre dois lobos.

Um é o medo, a cólera, a inveja, a tristeza, o remorso, a arrogância a  auto-piedade, a culpa, o ressentimento, a inferioridade e a mentira.
O Outro é a paz, a esperança, o amor, a alegria, a delicadeza, a benevolência, a amizade, a empatia, a generosidade, a verdade, a compaixão e a fé.
A mesma luta está se travando dentro de vocês e de todas as outras pessoas…”
As crianças puseram-se a refletir sobre o assunto e uma delas perguntou ao avô: ” Qual dos lobos vencerá?”
O ancião respondeu:
” Aquele que for alimentado…”


Explicando: todos nós temos luz e sombras dentro da nossa alma, a diferença está em quem vai ganhar.

Entretanto, não é sábio nem viável ignorar totalmente o nosso lado obscuro, nem aprisiona-lo a 7 chaves. Prendendo uma fera, é assim que a deixamos brava.

Entrar em contato com a nossa parte sombria é uma questão de autoconhecimento, de saber até onde vamos, do que somos capazes de fazer, e até de descobrir dons e encantos que não sabíamos existir. É descer até a mais profunda cratera já conhecida, embrenhar-se na escuridão, e sair de lá mais sábio e forte do que nunca.
        
A parte escura da Deusa é sedução, é poder, é força, é independência. É ira, inveja, gula, desejo de vingança, libido. É o agir sem escrúpulos, com impulsividade. É o instinto de sobrevivência gritando mais alto, é o êxtase, é insanidade. Conhecer a si mesmo é importante, para que nunca ocorra aquele “não sei o que aconteceu, quando eu vi, já tinha feito”. É o instinto da mulher de ficar por cima, de dominar, de ser dona do próprio nariz, de ser bela sem ficar apegada a conceitos velhos de que a mulher “é um ser imundo, pois contém o pecado da carne”. De fazer o que quiser sem precisar dar satisfação a ninguém.

São muitas as Deusas Negras que cercam esse mundo. Aqui, eu já apresentei Hécate para vocês, ainda temos uma longa jornada juntos nesse mundão de meu Deus. Agora que já falei e falei sem parar, vamos a uma pequena parte prática da coisa. Vou lhes passar um ritual de meditação, para se encontrar com a Deusa ou Deus Negro dentro de você.

“Primeiramente, esteja num ambiente confortável, com pouca ou nenhuma luz. Senta-se ou deite-se confortavelmente, tendo certeza de que não será interrompido nem dormirá durante o processo.

Veja-se numa trilha no meio de uma floresta escura, ao seu lado você encontra um lampião. Carregue-o consigo e siga o seu caminho, que à medida que você avança, fica mais e mais escuro, como se o sol estivesse se pondo rapidamente.

Logo, você encontra a entrada de uma caverna. Deixe o lampião do lado de fora, pois você precisa prosseguir com coragem. Você dá o primeiro passo para dentro da caverna: se do lado de fora já estava escuro, ali dentro você mal enxerga o caminho. Cada passo, você avança mais e mais na escuridão, já não enxerga dois palmos na sua frente. Você estica as mãos para poder encontrar o caminho; você precisa confiar nos seus outros sentidos.

Em determinado momento, você topa com uma parede lisa e gelada, que você percebe ser um espelho de corpo inteiro. Por mais que você tateie as paredes ao seu redor, você apenas conta com o espelho à sua frente e a volta, logo atrás de si.

Fixe os olhos no espelho; mesmo com a escuridão absoluta, você vê um vulto percorrendo-o. Não tenha medo nem saia correndo. Logo, o vulto tomará formas, e você reconhecerá alguém naquele espelho: quem é? Qual Deusa ou Deus Negro que está se apresentando, como um reflexo de você mesmo? Qual é a sua sombra?

Quando estiver pronto para deixar a caverna, apenas gire sob os seus calcanhares, agradecendo a presença que esteve com você hoje, e saia sem pressa ou medo, mas com a cabeça erguida e com a mesma coragem que precisou ter para entrar aqui hoje.”


Espero que tenham gostado, e que o ritmo não tenha ficado cansativo ou tedioso demais!
Nos vemos na próxima!

PROMOÇÃO "VOCÊ É O DIRETOR DE CINEMA DE O TRONO SEM REI"

Agora você é o diretor de elenco de O Trono Sem Rei, meu novo livro! São oito personagens e você pode participar com os oito! A cada personagem, um leitor será escolhido e receberá em sua casa uma revista Contos de Leemyar, escrita e desenhada por mim, e oito marcadores exclusivos de todos os personagens de Lua das Fadas e O Trono Sem Rei! Pode escolher qualquer ator, atriz ou pessoa, do presente ou passado, nacional ou estrangeiro, para interpretar o papel! É só postar sua sugestão nos comentários ou no blog luadasfadasolivro.blogspot.com.

Nosso primeiro personagem a ser elencado é... MARCEL!



sexta-feira, 20 de julho de 2012

Deusas Negras - Hécate

Por Sandrini
Hoje, teremos um post especial como pedido do nosso amigo Nix, que tem um grande interesse por essa Deusa misteriosa!

A lenda não é clara quanto à sua origem. Alguns mitos dizem que Hécate era filha dos titãs Tártaros e Noite; outras versões dizem ser de Perseus e Astéria (Noite-Estrelada), ou de Zeus e Hera.

        É a personificação da lua e do lado escuro do princípio feminino. Uma deusa tríplice por si só, sendo representada muitas vezes com um corpo com três cabeças (uma jovem, uma adulta e uma velha). Perceba que ela abre e fecha um ciclo em si mesma, passando pelo Nascimento, indo até a Maturidade onde encontramos a fertilidade e educação, e terminando na Sabedoria.

       Também chamada de Deusa das Encruzilhadas, ela andava nas noites de Lua Nova acompanhada por uma matilha de cães de caça, carregando duas tochas ardentes. Lembramos do chacal Anúbis do submundo egípcio, que podia distinguir o bom do mal; e o Cérbero, o cão de três cabeças que guardava as portas do submundo da antiga Grécia.

       As pessoas a veneravam deixando oferendas nas encruzilhadas, “almoço de Hécate”, e faziam imagens de mulheres tricéfalas, as “Hecatéias”, em sua homenagem.

        Os três símbolos sagrados de Hécate são: a Chave, por ser ela carcereira do Mundo Inferior; o Chicote, que revela o seu lado punitivo e seu papel de condutora das almas; e o Punhal, símbolo de seu poder espiritual, que mais tarde tornou-se o Athame das bruxas.

       Todos os animais selvagens eram consagrados à Hécate e por isso, foi mostrada muitas vezes com três cabeças de animais: o cão, a serpente e o leão, ou alternadamente: o cão, o cavalo e o urso. Seus animais mais conhecidos são, entretanto, o cão e o lobo. O cipreste era a árvore sagrada da Deusa. Hécate ainda é Mãe de todas as aranhas.

       Transmite o poder de olhar em três direções ao mesmo tempo. Ela também nos revela os caminhos mais escondidos e secretos do inconsciente, os sonhos guardados, o lado dos desejos mais ocultos. Hécate é a Deusa que pode conduzir aos caminhos mais difíceis e perigosos, aos abismos e às encruzilhadas da própria psique. A sua função é de guia dentro do reino oculto da alma.

        No Submundo, Hécate é a carcereira e condutora das almas, a Pritânia, a “Rainha Invisível” dos Mortos. As almas, tendo passado por Cérbero, o cão tricéfalo, e sido julgadas pelos três Juízes dos Mortos, devem chegar às encruzilhadas tríplices do Inferno. Nesse ponto, Hécate envia ao reino para o qual foram julgadas adequadas: para as campinas do Asfódelo, para o Tártaro ou para os Campos Elíseos.

       Como aspecto de Deusa Amazona, a carruagem de Hécate era puxada por dragões. As mulheres que a cultuavam normalmente tingiam as palmas das mãos e as solas dos pés com hena.

       A Deusa Hécate era uma deidade de muitos títulos e nomes. Como Propylaia (Aquela que fica na frente do Portão), Hécate oferecia proteção contra o mal. Neste aspecto seu culto era realizado no portão da entrada, lugar onde eram colocadas as estátuas em sua homenagem.

       Como Propolos (A Criada que Conduz), Hécate servia como guia de outras deidades. Exemplo deste fato se dá quando ela conduz Deméter ao Mundo Inferior, para resgatar Perséfone das mãos de Hades.

       Como Phophoros (Aquela que traz Luz) ela é portadora de duas tochas, que servem para iluminar o caminho em busca de nosso sombrio inconsciente.

       Como Kourotrophos (Aquela que cuida das Crianças), Hécate estava associada às parteiras e era responsável pelo nascimento, já que os poderes que dão vida, também acarretam a morte.

       Como Chthonia, ela está associada aos poderes da prática de magia, relacionando- se com outros deuses da Terra, como Hermes e Perséfone, no seu aspecto de Deusa-Anciã, Senhora do Mundo Inferior.

       A conexão com Hécate representa para nós um valioso meio para acessar a intuição e o conhecimento inato, desvendar e curar nossos processos psíquicos, aceitar a passagem inexorável do tempo e transmutar nossos medos perante o envelhecimento e a morte. Hécate nos ensina que o caminho que leva à visão sagrada e que inspira a renovação passa pela escuridão, o desapego e transmutação. Ela detém a chave que abre a porta dos mistérios e do lado oculto da psique; Sua tocha ilumina tanto as riquezas, quanto os terrores do inconsciente, que precisam ser reconhecidos e transmutados. Ela nos conduz pela escuridão e nos revela o caminho da renovação.

       Porém, para receber Seus dons visionários, criativos ou proféticos precisamos mergulhar nas profundezas do nosso mundo interior, encarar o reflexo da Deusa Escura dentro de nós, honrando Seu poder e Lhe entregando a guarda do nosso inconsciente. Ao reconhecermos e integrarmos Sua presença em nós, Ela irá nos guiar nos processos psicológicos e espirituais e no eterno ciclo de morte e renovação. Porém, devemos sacrificar ou deixar morrer o velho, encarar e superar medos e limitações; somente assim poderemos flutuar sobre as escuras e revoltas águas dos nossos conflitos e lembranças dolorosas e emergir para o novo.


Fonte: Olhos de Bastet; Teia de Thea; Portal Astrologia e Esoterismo; e amigos.

Ps- Estou pensando em abrir um círculo de matérias sobre deuses negros, começando por Hécate. O que acham?

quinta-feira, 19 de julho de 2012

BOOK TRAILER DE O TRONO SEM REI

Foram 700 horas de trabalho de edição! 348 mil pessoas trabalhando! Mais de 20 anos de filmagens! Um elenco estelar! Milhões em efeitos especiais!!! O planeta parou de girar para esperar por esse book trailer!!! As pessoas corriam atarantadas nas ruas gritando: "CADÊ O TRONO SEM REI??? CADÊ O TRONO SEM REEEI???" Mas, finalmente, aí está o book trailer mais esperado da temporada (seja ela qual for). E não se esqueça! Espalhe a notícia, curta o clip, comente e apareça na Bienal para levar seu livro e seu brinde pra casa! Além de O Trono Sem Rei, também estaremos lançando Os Dragões de Titânia 2: A Queda do César!

ANOTE:
Livraria Loyola, Estande J60, Bienal do Livro de SP.


O TRONO SEM REI, de Eddie Van Feu: Sábado dia 11/08, de 11 às 15 horas.


OS DRAGÕES DE TITÂNIA, de Renato Rodrigues: Domingo dia 12/08, de 11 às 13:30.


Pra quem não puder ir nesses dias, sem estresse! Renato Rodrigues, Carolina Mylius e eu estaremos lá quase todos os dias da Bienal!




Vá nos ver e levar pra casa seu livro e seu brinde! Os livros estarão com preços especiais de lançamento: de 29,90 por 25,00! E os meus outros livros estarão à venda lá (somente os de ficção). Falando nisso, só estarei autografando os livros de ficção. Não poderei autografar nenhum livro de magia, e isso inclui a Wicca, OK? Guardem os livros esotéricos para outra ocasião e aproveitem os livros de Ficção: Alcateia, O Portal, Lua das Fadas e O Trono Sem Rei! E ESPALHEM A NOTíCIA!

VIDAS DE UMA MESMA COR

Por Fernando Coelho e Victor Augusto de Souza

Hoje iremos fazer um post diferente. Quando falamos nos Mestres temos aquela imagem de seres de puríssima luz, longe da nossa história de vida real. Mas, você perceberá por meio desta canalização da Maria Silvia P. Orlovas, que todos (até Mestres) passaram por situações que pediram fé, força e coragem.
Se hoje, eu e o Fernando pudermos sintetizar tudo, falaríamos: "Não desista, há tantos que desistem no meio do caminho, não seja mais um! Confie um pouco mais, acredite que o melhor está para chegar e desfrute de cada pedacinho da sua vida, pois tudo é um aprendizado".

Shalom!


A VIDA DA MESTRA ROWENA
  Mensagem recebida em 20 de outubro de 1999
“ Eu nasci mulher, numa terra onde o certo era ser homem. Numa terra onde era trabalhar arduamente para ganhar a vida. E nesta terra onde apenas os ricos tinham direitos, nasci pobre.
Nasci numa terra de profundos desencontros. De monções, em que as águas inundavam, e de secas, que partiam o solo e fazia a terra se quebrar como areia.
Nasci numa terra de desequilíbrios. E quando ainda criança, caminhava descalça e, sempre faminta, pensava em Deus.
 Eu, que nasci numa terra de muitos deuses, não tinha nenhum no meu coração, e ainda assim achava que devia existir um ritmo, uma sabedoria, talvez até alguma história a ser contada, porque eu queria entender o mundo. Muito tempo da minha vida passei tentando entender o mundo. Entender a idéia que fazia com que os homens pobres jamais progredissem, e que mulheres se sentissem aprisionadas, desejando casar-se para resolver suas vidas, sofrendo e muitas vezes tirando a própria vida quando isso não acontecia.
 Passei a minha existência tentando entender este ritmo, tentando calçar os meus pés descalços, tentando dar segurança aos caminhos que eu não encontrava.
 Era tudo tão tortuoso e ressequido nas pessoas, que talvez fosse esse o motivo que fazia as águas virem e não pararem mais.
 Fato é que nesta vida não me realizei, e acabei desencarnando aos quinze anos. Assim, levei ao mundo espiritual todas essas coisas que não compreendia. Quando morri, meu corpo era virgem, mas minha alma era cheia de sulcos profundos, causados pelo sofrimento. Eu queria entender o mundo, queria entender quem era aquele Deus na Terra de muitos deuses. Aquele que eu não encontrei, mas que ainda assim sabia que existia.
Todos os meus desejos pelas coisas materiais, sim, porque passei fome, passei frio, passei sede, sofri de doenças... Todas essas necessidades levei comigo com a minha morte. Porque, ao contrário do que diziam os outros, quando morri as coisas não se apagaram em mim.
  Continuei pensando, tendo desejos, tendo ansiedades, e muito tempo passei cercada de incompreensão, tentando entender... Até que um ar rosa, uma luz rosa veio ao meu encontro, e eu lhes digo:
 -Não fui eu que cheguei a Deus, foi Deus que chegou a mim.
 E eu lhes digo: -Este “Ar” chegou a mim e me envolveu. Senti que finalmente minhas feridas tinham se secado, e que as dores tinham sido consumidas por ele.
 Um sentimento maternal que me envolveu e mostrou que era necessária minha reencarnação, para que tivesse meus desejos saciados. Explicaram-me que aqueles desejos, que foram muitos fortes, precisavam ser saciados. E assim eu reencarnei, agora numa terra onde a chuva vinha na época certa, onde a paisagem era verdejante, e onde as pessoas andavam vestidas com roupas suntuosas e usavam sapatos. Onde nunca me faltou o que comer, pensar, sentir, ver ou me envolver.
 Nasci numa terra onde, logo criança, me calçaram sapatos; tão necessários foram e tão rapidamente supérfluos se tornariam...
 Nasci numa terra de abundância e, ao contrário da pobreza que havia vivido tão fortemente no passado, dessa vez nasci rica e nem sequer conheci o que era ser pobre.
 E numa terra em que antes vivi cercada por tantos deuses, desta vez me vi sem Deus nenhum, porque as pessoas não proferiam fé, amor ou devoção.
 Vivi os extremos dos desejos, dos sentimentos. Assim como hoje vocês vivem os extremos do afeto e do desafeto, do medo, da ansiedade e das alegrias. Algo dentro de mim sempre me dizia que estava experimentando os opostos.
Aquela que eu fui, ... CONTINUA NO PRÓXIMO POST



quarta-feira, 18 de julho de 2012

O TRONO SEM REI NA BIENAL SP

E no primeiro sábado da Bienal, O Trono Sem Rei estará esperando por você! Eu estarei no estande da Loyola durante a Bienal inteira, mas o lançamento oficial com brindes será dia 11, de 11 às 15 horas! Espero você lá, hein? Não vá deixar a Bianca e o Zac esperando! E espalhe a notícia com os silfos!!!

Ciganos Killiaq e Lilliaq


Por Fernando Coelho e Sandrini

Querido lobonaltas  hoje nossa matéria é em dose dupla, pois vamos falar de um casal de irmãos: Lilliaq e Killiaq.
  São irmãos gêmeos, sendo Lilliaq uma cigana e Killiaq um cigano,  trabalham juntos, são doces e amáveis e adoram dar conselhos. Trabalham com as frutas do campo. Há uma magia destes ciganos feita com carambolas, que eles costumam dizer que são as estrelas da Terra. Eles pegam, cada um, um pedaço de carambola, cortadas em estrelas colocam nas mãos e recitam a seguinte oração:

“Estrela que foi cortada com a faca, corte todo mal desta pessoa com sua força. Assim como você foi alimentada, faça que esta pessoa fique forte e que nada lhe atinja de hoje em diante.”


Em seguida, colocam as duas estrelas em um prato de louça e cobrem-na com açúcar cristal. Dizem então para a pessoa levar o encanto para a beira de um rio e deixar que as águas levem as estrelas, para sua purificação.

 Outra magia com a ajuda da Cigana Lilliaq



* 12 lenços coloridos ( em cores claras )
* 1 cesto de vime
* 6 frutas a sua escolha partidas ao meio
* 12 velas coloridas ( exceto preta )


Na Lua Cheia arrume os lenços na cesta com as pontas para fora, passe as frutas pelo seu corpo, simbolicamente de baixo para cima, e coloque no cesto.
Leve a oferenda a uma campina, coloque o cesto no chão, acenda seis velas do lado direito e seis velas do lado esquerdo, pedindo a Cigana Lilliaq a abertura dos caminhos.


Espero que tenham gostado da matéria de hoje, e na próxima quarta-feira tem mais.

CAPA DE DRAGÕES DE TITÂNIA VOL 2!

E atenção!!! Capa de Os Dragões de Titânia: A Queda do César, liberada!!! Este segundo volume da série de aventureiros de Titânia será lançado na Bienal do Livro de São paulo, dia 12/08, de 11 às 13:30, mas o autor Renato Rodrigues e a ilustradora Carolina Myius estarão presentes durante o dia inteiro. Renato também estará presente nos outros dias da Bienal (mas não sei se ainda vai ter brinde)! Vamos nos aventurar, galera! Aproveitem e digam o que acharam da capa! E ESPALHEM A NOTÍCIA!!!

DRAGÕES NO RIO E EM SÃO PAULO

As aulas neste fds em Sampa foram DEMAIS! A aula de tarô com os Arcanos Menores foi super elucidativa e fiquei feliz em ver os alunos acertando direitinho no teste no final! A aula dos Dragões dispensa comentários! Foram seis rituais seguidos para acessar as dimensões elementais dos dragões. Minha cabeça quase explodiu, mas valeu cada minuto! Não tinha lugar pra mim na sala, mas a gente se apertou e deu tudo certo! Obrigada a todos e nos vemos na Bienal! Neste sábado temos a aula dos Dragões no Rio! A Iniciação está próxima! Aproveite! Confirme sua presença: 3872-4971. Para saber mais do curso do Rio, é só CLICAR AQUI!

sexta-feira, 13 de julho de 2012

SEXTA-FEIRA 13, SE ESCONDER OU APROVEITAR?

Por Victor Augusto de Souza



Esse é um tema interessante, sexta-feira 13 tem muito pano para manga.
Muito polêmica, a sexta-feira 13 se tornou um assunto misterioso. Alguns dizem que ela é favorável, outras que traz má sorte, mas, neste post, daremos nossas mãos e olharemos um pouco mais a frente neste dia e veremos o que podemos fazer de bom, para nós, é claro!

O QUE A MAGIA TEM HAVER COM HOJE?

A Magia tem ligação com tudo, desde um simples pensamento até mesmo um olhar que você dá. Praticamos magia diariamente, ao estudarmos começamos a tomar consciência disso e a libertarmos melhor nossas forças.
Como você sabe muito bem, seu pensamento tem poder. Então, seja inteligente e para de acreditar nas abobrinhas de que sexta-feira 13 dá azar, que fulaninho disse, que o bode preto fica solto ou que o bicho pega. Se você dar poder a isso, é óbvio como 1+1 que o Universo vai deixar sua sexta um verdeiro caos.

O mundo é dominado pelo medo, nós temos que tomar muito cuidado para acabarmos não evoluindo por temermos. O primeiro passo para acabar com o receio de algo é.... conhecendo!
E parabéns, você já deu este primeiro passo.

SEXTA E VÊNUS

Segundo a Alta Magia, sexta-feira é regido pelo Planeta Vênus.
Particularmente, ADORO trabalhar com as energias de Vênus. Vênus nos ajuda a vermos melhor nossa energia, a cultivarmos amizades, amores, mas, principalmente Vênus nos ensina a tirarmos um tempo para nós mesmos, para nossos gostos e prazeres.

13 E O TAROT

No Tarot encontramos o Arcano 13- A Morte. Espera! Não precisa sair correndo, deixa o tio Victor explicar para você.
A lâmina da Morte nos fala sobre momentos onde de certa forma o Universo retira o velho para que o novo possa florescer, muitos temem por esta carta, porque tendemos a nos apegar a tudo. Até as situações negativas, é mole?
Daí vem a energia de algumas pessoas que dizem que na sexta-feira 13 deu tudo errado. Na realidade é o Universo agindo mudando o que necessita mudar, mas se a pessoa não quer isso para sua vida vai interpretar isso como um problema em sua vida.
Então, encontramos nessa sintonia uma forte ligação com vivenciar o momento presente. A carta da Morte nos relembra que tudo tem começo, meio, fim e renascimento. O Universo esta sempre em profunda mutação e cabe a nós, como seres mutáveis, nos elevarmos em direção ao nosso melhor.

CARA, ESTOU COM MEDO! FALA LOGO O QUE SIGNIFICA A SEXTA-FEIRA 13?

Calma lobo! Se você quiser fazer uma pesquisa histórica, te aconselho o bom e velho tio google. Porém, vou me ater a parte prática do dia de hoje.

Hoje, para quem tem um pouco mais de esclarecimento, é um maravilhoso dia para você fazer magias, meditações e pedidos relacionados a retirada de empecilhos em seu caminho. Como temos Vênus com o Arcano 13, este é um poderoso dia de retomada de sua vida, de você parar de dar poder ao medo e a coisas inexistentes. 

Aonde você tem dado poder? 

Garanto que você não irá responder que é para si mesmo, mas saiba que isso é fundamental!
Recrie sua vida, resgate seu poder, limpe-se do que for necessário para recomeçar um ciclo mais leve e mais certo de si mesmo. E se por algum acaso algo barrar seu caminho, sorria, pois saiba que sua luz abrandará os caminhos fechados.

Uma ótima sexta-feira 13.
Shalom!

quinta-feira, 12 de julho de 2012

O TRONO SEM REI E OS DRAGÕES DE TITÂNIA NA BIENAL DE SP

por Eddie Van Feu

O Trono Sem Rei entrou na gráfica! E já temos horário para o lançamento dele e de Dragões de Titânia 2! Estaremos lá direto, mas na hora do lançamento teremos brindes especiais para quem for!

ANOTE: 
Livraria Loyola, Estande J60, Bienal do Livro de SP.
O TRONO SEM REI, de Eddie Van Feu: Sábado dia 11/08, de 11 às 15 horas.
OS DRAGÕES DE TITÂNIA, de Renato Rodrigues: Domingo dia 12/08, de 11 às 13:30.

Vá nos ver e levar pra casa seu livro e seu brinde! Os livros estarão com preços especiais de lançamento: de 29,90 por 25,00! E os meus outros livros estarão à venda lá (somente os de ficção). Falando nisso, só estarei autografando os livros de ficção. Não poderei autografar nenhum livro de magia, e isso inclui a Wicca, OK? Guardem os livros esotéricos para outra ocasião e aproveitem os livros de Ficção: Alcateia, O Portal, Lua das Fadas e O Trono Sem Rei! E ESPALHEM A NOTíCIA!

CORAÇÃO DE LUZ- Nas bençãos de Rowena


Por Fernando Coelho e Victor Augusto de Souza

Entender os processos de ascensão e espiritualidade com uma visão Universalista é um parâmetro que mexe com nossas almas realmente, eu e Fernando tivemos um ótimo retorno na energia dos Mestres, uma das grandes forças da Fraternidade que mais me encanta é sua rapidez. Aprendi com Eles que as forças de bençãos são constantes em nossas vidas, quanto mais você faz algo que traga um bem a sua alma mais o plano espiritual abençoa. Lembrar e entender que onde colocamos nossa atenção, manifesta nossa vida é um passo poderoso para aqueles que desejam estar na companhia dos Mestres e de si mesmo.
Hoje, estaremos com a presença da energia da Mestra do Terceiro Raio, Rowena.
Muito se fala ao respeito de sua força, que é a do perdoar. Mas pouco se fala em como esse perdão e o manifestar do amor ocorrem em nossas vidas. A chama rosa está presente em uma lágrima como em um sorriso, quando estamos na presença e conscientes de que todos os processos de nossas vidas são meios de aprendizados, começamos a entender mais fortemente a energia do terceiro raio. E venhamos e convenhamos, existe modo mais gostoso de se viver do que com amor?

MENSAGEM DA MESTRA

“Vocês são filhos das estrelas, não pertencem a este planeta. Devem, sim, amá-lo, respeitá-lo e oferecer o melhor que puderem, mas não são prisioneiros. São astronautas do espírito, viajantes do universo. O processo da ascensão, de se incorporar às naves de luz, é de se incorporar antes à sua própria luz, perfeita e cheia de amor.

 Desprendam-se da cobrança, porque aquele que cobra não é capaz de amar. Desprendam-se de qualquer tipo de cobrança. O Pai, a energia superior de luz, lhes dará tudo o que for necessário para sua expressão. A vida é assim, generosa, altruísta e cheia de boas surpresas àqueles que se abrem e têm olhos para ver.
 Venho, em nome da Chama Rosa, falar a vocês desse momento tão importante de desprender-se de suas negatividades. Os carmas foram acelerados, e vocês poderão observar as pessoas com diversos tipos de descontentamentos, problemas e raivas. Mas não tenham medo e façam a sua parte. Trabalhe sua luz, sua capacidade de amar. Repitam o nome de Deus e vistam-se na luz.
Mensagem de Rowena, com alterações e canalizador desconhecido.
ABENÇOANDO O SEU DIA

Shalom!

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Cigana Damira

Por Fernando Coelho e Sandrini

Antes que nossa lobonalta Liane tire nosso couro, vamos falar da primeira cigana a trabalhar com cristais da historia, e  que tem amigos direto de Atlântida. Ela trabalha com cristais de varias formas em suas magias, entre uma delas usa a bola de cristal. Vamos conhecer sua historia na matéria de hoje, e quarta-feira que vem tem mais.
 Conta a tradição que, certa vez, estava uma cigana sentada em uma grande almofada colorida, no interior de sua tenda, quando em sua frente formou-se um clarão azul-celeste. Desse clarão surgiu a imagem de uma linda mulher, sem características de cigana, mais parecendo uma daquelas deusas da mitologia grega.
 A mulher usava uma longa túnica e um véu que cobria seu nariz e sua boca, deixando descobertos somente seus grandes olhos negros,
 A linda mulher começou a falar com a cigana, usando um dialeto que ela desconhecia, mas que sua mente captava e transformava em uma mensagem:
" A partir de agora, cigana, você usará pedras em suas magias. Bem perto daqui, existe uma gruta repleta de pedras. Vá até lá e apanhe muitas pedras coloridas."
 Em seguida, o clarão se desfez, levando consigo a imagem da linda mulher.
 A cigana ficou muito assustada com tudo que acontecera, principalmente porque pedras não faziam parte dos rituais de seu povo. Levantou-se e foi caminhar pelos montes, onde existia uma cachoeira. De repente, observou que havia uma grande abertura nas rochas da cachoeira, e lembrou-se da mensagem que ouvira. Caminhou até a rocha, passou pela grande abertura e avistou uma gruta com muitas pedras, todas cheias de pontas e das mais variadas cores. Até parecia que um arco-íris estava ali, dentro da gruta.
 A cigana voltou ao acampamento, apanhou uma candeia para clarear a gruta, que era um pouco escura, e uma ferramente com que pudesse bater nas pedras e quebrá-las em pequenos pedaços; e foi para a gruta na cachoeira.
Algum tempo mais tarde, saiu da gruta e voltou para o acampamento levando muitas pedras pontiagudas de várias cores; espalhou-as no tapete de sua tenda e começou a admirá-las. As pedras transmitiam uma luz e uma força que a cigana desconhecia. Nesse momento, apareceu o esmo clarão com a imagem da linda mulher, e a mente da cigana captou uma nova mensagem:
" Esta será a sua nova magia. A magia das pedras, dos cristais. Eu lhe darei a força da Atlântida e você será a primeira mensageira dos cristais no planeta Terra. Com os cristais, você e seu povo cigano farão mentalizações para todas as finalidades: curar doenças, atrair sorte e prosperidade no amor e nos negócios, afastar negatividades e muitas outras mais."
 Em seguida, o clarão azul e a linda mulher desapareceram.
 A cigana procurou o chefe de seu grupo e contou tudo que acontecera. Todos do grupo se reuniram e, junto com a cigana, foram até a gruta, mas só avistaram a cachoeira e as rochas, porque a abertura que levava até a gruta, inexplicavelmente, não existia mais.
 Voltaram para o acampamento e, após uma longa conversa, concluíram que tudo não passara de energias do passado atuando no presente, diretamente sobre a cigana, que fora escolhida para ser a primeira cigana a usar pedras e cristais em suas magias. Por isso, ela é chamada de cigana Damira, a rainha dos cristais.
 Sempre protegida por uma deusa de Atlântida, era uma das preferidas do Faraó Aknaton.
 Este é o porquê dos ciganos usaram pedras em suas magias.



terça-feira, 10 de julho de 2012

DEPOIMENTO DE LEITORA

Olha que legal que a leitora Branca Helena Cotrim Aires escreveu no meu mural!
"Adorei O Portal e Lua das Fadas!!! Super emocionante, sabe você acaba rindo muito e não consegue conter as lágrimas, esteja você onde estiver, em pé no metrô, na fila do banco, saculejando na mini van, na sua rede até por fim ficar "pescando" na hora de dormir e vc tenta ler mais algumas páginas torcendo para que a Lorena que existe em cada um de nós desperte também, ai! como Amei o Marcos rsrsr já estou morrendo de saudades ♥ Gracias Eddie Van Feu por compartilhar esse seu mundo tão maravilhoso pleno de Honra e Amizade!"

Oração aos dragões.

 Por Fernando Coelho


Dragão guardião, peço que toque:
A minha mente, para que possa ter clareza mental
 Meu terceiro olho, para que eu possa ver além

A minha boca, para que minha palavras tragam sempre o conforto e soluções
 Meu coração, para que eu possa sempre irradiar bons sentimentos.

As minhas mãos, para que tudo o que eu fizer seja construido e realizado em luz.

Os meus pés, para que eu possa sempre caminhar no caminho da evolução espiritual.

A minha alma, para que ela se ilumine mais a cada dia, e eu possa levar a divindade a quem precisar.
 Draconis, Draconis, Draconis


segunda-feira, 9 de julho de 2012

Feitiço para se livrar de problemas com ajuda dos dragões.


Por Fernando Coelho


 Tome um banho de rosa branca da cabeça aos pés, se vista de branco ou cor clara. Forme um circulo mágico, e diga:
 
 Amada deusa Tiamat, peço a sua permissão
para com os dragões me conectar.
 Pois de ajuda preciso, e se sincero for meu coração
 Que eles venham me ajudar.

Chame os guardiões dos portais cantando o mantra dos dragões:

“Sairys, Fafnir, Grael e Nailyon”

Cante até sentir a presença dos dragões. Acenda uma vela branca, e escreva em uma carta todos os problemas que você tem passado. Queime na chama da vela dizendo:

“Pelo poder do fogo de Fafnir que neste momento meus caminhos sejam purificados
Pelo poder de Grael, que meus problemas sejam enterrados
Pelo poder de Nailyon, que  as ondas de paz fique sempre ao meu lado
Pelo poder de Sayris, que o ar me dê a sabedoria dos sábios
E com a ajuda de todos os dragões, que isso seja realizado.”

Termine o ritual agradecendo os dragões pela ajuda e dizendo:

“DRACONIS, DRACONIS DRAGONIS”

Recolha as cinzas da carta sem colocar a mão diretamente nele, use uma vassoura e uma pá pra isso, e depois é só enterrar aos pés de uma arvore, pedindo à divindade que ali existe para transformar aquelas energias negativa em energias positivas para o mundo, saia sem olhar pra traz. Se a solução do problema depende de você, tenha calma e vá resolvendo aos poucos que as coisas vão se desenrolando, caso não dependa de você não fique por muito tempo perto do problema, sempre que ele aparecer tente fugir dele, não se importando, pois ele já não é mais seu problema agora.



RESULTADO DO CONCURSO LITERÁRIO ALCATEIA - KODAMA 2012

Por Eddie Van Feu

Em primeiro lugar, peço mil desculpas pelo atraso! Foram muitos textos e analisar com atenção demandou mais tempo do que eu tinha! Mas agora você já pode conferir os resultados e aguardar seu prêmio pelo correio e a avaliação em vlog que sai em alguns dias! Todos os candidatos receberão as pontuações por e-mail. Prepare-se para o ano que vem e vá escrevendo sua história!



Categoria Conto

Primeiro Lugar:
À Memória da Mansão Hurst
Camila Cruz
Santo André, São Paulo

Narrativa: 10
Português: 10
Criatividade: 10
Total: 30

Prêmio:
Radiante, de Alyson Noël
Lua das Fadas, de Eddie Van Feu
Dragões de Titânia, de Renato Rodrigues


Segundo Lugar:
"Se as vacas voassem..."
Pedro Chantal
Maringá PR

Narrativa: 10
Português: 9
Criatividade: 10
Total: 29

Prêmio:
Alcateia – Prateada HQ
Lua das Fadas, de Eddie Van Feu
O Portal

Terceiro Lugar:
Ozean
Clarisse Teresa
Brasília - DF

Narrativa: 10
Português: 8
Criatividade: 10
Total: 28

Prêmios:
Alcateia – O Château das Vertentes
Lua das Fadas



Categoria Crônica

Primeiro Lugar:
Sobre Rodas
Helkem Himura
Brasília – DF

Narrativa: 9
Português: 9
Criatividade: 9
Total: 27

Prêmio:
Lua das Fadas, de Eddie Van Feu
Dragões de Titânia, de Renato Rodrigues
Alcateia - Prateada

Segundo Lugar:
UMA CRÔNICA POR SIMONE DANTAS
Douglas Batista Pinto de Almeida
Cidade Ocidental-GO

Narrativa: 8
Português: 10
Criatividade: 8
Total: 26

Prêmio:
Alcateia – Prateada HQ
Lua das Fadas, de Eddie Van Feu
O Portal

Terceiro Lugar:
Chuva de verão
Ana Lídia De Sousa
Taguatinga Norte – DF

Narrativa: 8
Português: 9
Criatividade: 8
Total: 25

Prêmios:
Alcateia – O Château das Vertentes
Lua das Fadas